World Socialist Web Site www.wsws.org

WSWS : Portuguese

Reabertura de plantas da Chrysler aprofunda o ataque aos trabalhadores

Por Jerry White
8 de julio de 2009

Utilice esta versión para imprimir | Enviar por email | Comunicar-se com o autor

Este artigo foi publicado no WSWS, originalmente em inglês, no dia 3 de julho de 2009.

Os trabalhadores automotivos em sete das doze plantas da Chrysler nos EUA voltaram ao trabalhado na última semana, após dois meses de fechamento da empresa em função de sua falência decretada no dia 30 de abril. A montadora de Detroit emergiu do “chapter 11” (capítulo de falêncais da constituição americana) no mês passado, após ter sido aprovada juridicamente a criação da “Nova Chrysler”, baseada na venda da maioria de seus ativos para a montadora italiana FIAT.

Os trabalhadores da Chrysler, assim como seus companheiros da General Motors, enfrentam um ataque direto aos seus empregos, padrão de vida e condições de trabalho. O governo Obama leva adiante seus planos para transformar o que resta da indústria automobilística em um investimento altamente rentável para Wall Street.

Os assim chamados “ativos tóxicos” da Chrysler, incluindo oito plantas, ainda estão sob proteção do “chapter 11”, onde esperam ser liquidados. Entretanto, os executivos da GM estavam no julgamento de falências de NY, procurando aprovação para vender a maioria de seus ativos mais lucrativos ao Tesouro Americano.

Harry Wilson, um ex-diretor financeiro e um dos inúmeros investidores de Wall Street na força tarefa automotiva de Obama, declarou na quarta-feira que o governo planeja vender seus holdings rapidamente. Assim a “Nova GM” estaria pronta para fazer sua proposta pública inicial para os investidores por volta de 2010. Entretanto, se a corte falhou para aprovar a venda dos ativos da empresa no dia 10 de julho, Wilson alertou que o Tesouro não promoveria nenhum favorecimento financeiro à GM e autorizaria a liquidação da centenária gigante industrial. “Não temos a intenção de promover financeiramente essa empresa”, disse Wilson. “Essa tem sido nossa opinião.”

A GM procura aprovação dos termos que daria ao Tesouro um investimento de 60% de US$ 50 bilhões em resgates financeiros. Ao United Auto Workers (UAW, sindicato dos trabalhadores automotivos dos EUA) foi dada uma quota de 17,5 % de câmbio para aceitar reduções drásticas nos benefícios de saúde aos aposentados e outros benefícios salariais, junto de concessões nos atuais benefícios. O governo federal e o governo estadual de Ontário, no Canadá, iriam obter 11,7%.

Executivos da GM apresentaram seus planos de reestruturação em tribunal, no qual incluem a destruição de mais de 20.000 postos de trabalho e o fechamento ou funcionamento reduzido de 14 plantas. Na segunda-feira, a GM acrescentou uma outra unidade para a lista das que seriam deixadas na "Velha GM” para serem liquidadas: a nova planta United Motors Manufacturing Inc. em Fremont, Califórnia, perto de San Francisco.

A GM está cancelando 25 anos de operação conjunta com a Toyota, que espera a transferência da produção para uma fábrica não sindicalizada no Mississippi, empregando 4.700 pessaos. O UAW está oferecendo grandes concessões para manter operações. O fechamento significaria o fechamento da última fábrica automotiva na Costa Oeste.

Benefícios médicos cortados e pensões em perigo

Esta semana centenas de milhares de aposentados (e seus dependentes) da GM e Chrysler também perderam os seus benefícios óticos e odontológicos, segundo os termos de um acordo exigido pelo Tesouro Americano e empurrado pelo UAW. Cerca de 292.000 aposentados horistas protegidos pelos contratos da UWA serão afetados em nível nacional, uma vez que cerca de 358.000 são seus dependentes.

A grande maioria dos aposentados horistas - 128,000 - estão em Michigan. Os cinco estados principais são Nova Iorque ,com 14.300, Ohio com 29.000, Indiana com 28.000 e Florida com 10.500, disse um porta-voz da Delta Dental à imprensa. A Delta Dental está demitindo 10% de seus funcionários devido à perda no negócio.

Outro desastre na manufatura é a possibilidade das montadoras ficarem sem dinheiro para pagar aposentadorias. O New York Times relatou que a GM tem utilizado bilhões de seu fundo de pensão para financiar cortes e livrar-se do salário mais alto acordado em 2007 com o UAW. Esse acordo permite também que a empresa contrate novos trabalhadores pela metade do salário dos atuais e fuja das obrigações das pensões para aposentados e dos benefícios de saúde.

De acordo com o benefício obtido na greve da GM de 1970, os trabalhadores têm um valor básico anual de US$ 19.000, além de outro suplemento de US$ 18.000 se acabarem com prestações da Segurança Social com 62 anos.

A crise se desenvolve e ainda em junho a venda de veículos atinge o menor patamar na história. As vendas nos EUA caíram para um total anual de 10 milhões, uma queda de quase 17 milhões em uma década. Todos os grandes fabricantes tiveram quedas de dois dígitos desde o ano passado, incluindo a GM (34%), Chrysler (42%), Toyota (32%), Honda (30%) e Ford (11%).

Para além das grandes montadoras, o colapso do mercado automobilístico está provocando uma onda de falências entre autofornecedores. O Lear Corporation, de Michigan, um fornecedor mundial de assentos e eletrônicos com 80.000 empregados, entrou no “chapter 11” na quarta-feira, tornando-se o 15 º maior fornecedor a fazê-lo em 2009. No mês passado, a administração Obama rejeitou um pedido de fornecedores para um resgate financeiro de US$ 10 bilhões, embora analistas previssem que de 50 a 70 produtores de autopeças poderiam ir a falência neste ano.

O Chrysler Financial, o braço financeiro do novo Grupo Chrysler LLC, também anunciou que iria demitir 350 empregados, ou 9% de sua força de trabalho. Mais de 100 das demissões foram efetuadas na terça-feira, principalmente nas equipes de vendas da empresa. Outras 240 acontecerão no final de agosto, quando um call center em Kansas City, Missouri, será fechado, confirme a empresa.

Uma equipe de reportagem do WSWS falou com os trabalhadores de uma panta da Chrysler em Detroit nessa semana. A fábrica, que emprega 1.400 trabalhadores, é uma das oito unidades da empresa a fechar por volta de Dezembro de 2010. Trabalhadores expressaram indignação perante o fechamento de plantas e a implacável demanda de concessões. No entanto, vêem poucos meios para resistir, uma vez que o UAW tem colaborado plenamente com o governo Obama e com os patrões, contra os trabalhadores.

A equipe do WSWS publicou uma declaração apelando à formação de comitês independentes para promover uma luta que parasse os fechamentos da fábrica e subverter as concessões decididas pelo UAW.

David Ratliff, um trabalhador com 15 anos de fábrica, denunciou as concessões impostas aos trabalhadores automotivos: "Meu avô trabalhou para a empresa 38 anos. Agora, ele está com 90 anos e está perdendo sua visão e dentes."

Ele manifestou indignação em relação às políticas da administração Obama, que intervieram para forçar a Chrysler e GM pedirem falência. "Nós somos os que fazem a economia funcionar, e não os bancos - as pessoas que trabalham todos os dias, independente do que eles façam, não os CEOs. Nós, o povo, temos de parar de pensar que não há nada que possamos fazer sobre o que está acontecendo. As pessoas têm de ficar juntas, não sozinhas.

"As pessoas que financiaram as eleições obtem a representação. Mas nós somos a verdadeira América, estamos construindo edifícios, pavimentando as ruas, mas chegamos ao fim do poço sempre. Agora estão dizendo que não terão dinheiro para a Seguro Social, devido o que eles fazem no Iraque. A guerra é puro dinheiro.”

Outro trabalhador, de 36 anos de trabalho nas plantas automotivas, denunciou o contrato forçado pelo UAW. “Estamos ferrados.” Olhando para trás ao longo dos últimos 30 anos de sua experiência, acrescentou, "Quando eles deram ao [ex-presidente do UAW, Douglas] Fraser uma cadeira no conselho da Chrysler, eu sabia que estava tudo acabado."

Marrie, um trabalhador com 26 anos de Chrysler acrescentou: “Nós pressupomos que a FIAT viria construir aqui. Nós estamos tentando trazer a FIAT para nossa planta. Agora, estamos no topo da linha. Estamos construindo. Estamos no topo das exigências. Eles nos mostraram todas essas coisas na segunda-feira na assembléia, na reunião da Câmara Municipal - como estamos indo bem, como fizemos todas essas concessões e tal - e eles ainda continuam a fechar nossa fábrica. Por quê?”.

“Todo mundo está ganhando dinheiro, mas os ricos querem ficar mais ricos e fazer dos pobres mais pobres. Eles não querem uma classe média. Querem ricos e querem pobres.

"Agora, estou com medo. Não sei para onde eles me mandarão quando a planta fechar. Estou com medo disso. Na verdade, se eu conseguir um pacote, gostaria de pegá-lo e sair, mas eu sei que não obterei um pacote muito significativo, então o que eu vou fazer para os próximos quatro ou cinco anos?

"Para onde eles me enviarão? Eu poderia parar do outro lado de Michigan, você entende? Eu vivo em Monroe e eu dirijo até aqui. Agora eu poderia estar em Trenton, eu poderia estar na rua, ou eu poderia estar em algum lugar do Norte, não sei. Sempre que eles me mandam eu tenho que ir. Não gosto disso. "

Outro trabalhador, Tracy, acrescentou, "É muito ruim. Voltamos para essa fábrica nessa semana e na próxima semana, então, a fábrica vai fechar de novo. Pode ser só por mais algumas semanas... e depois ser definitivo. Quem sabe?"

[traduzido por movimentonn.org]

 



Copyright 1998-2012
World Socialist Web Site
All rights reserved